Tejiendo Redes Infancia - Unión Europea

Crianças e adolescentes propõem mudanças aos Estados para priorizar seus direitos humanos

18 de novembro de 2018

  • Meninas, meninos e adolescentes se reuniram no Rio de Janeiro para falar sobre suas práticas de liderança na participação e como influenciar para mudar sua realidade.
  • Mais de 180 representantes da Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai participaram

A Rede Latino-Americana e Caribenha de Defesa da Criança e do Adolescente @REDLAMYC, realizou de 15 a 18 de novembro de 2018, no Rio de Janeiro, Brasil, o Encontro de meninas, meninos e adolescentes da Sub-região Sul. Mais de 180 representantes da Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai participaram do evento.

Durante o encontro, crianças e adolescentes falaram sobre a situação da infância e da adolescência em cada país, sobre as experiências participativas na sub-região, além de se posicionarem em temas prioritários como o direito à saúde, a educação, o direito a uma vida livre de violência, direito à igualdade e não discriminação.

Posicionaram propostas que implicam que os estados da região priorizem os direitos de meninos e meninas, que os estados destinem mais investimentos para garantir seus direitos e a necessidade de fortalecer os Sistemas Nacionais de Proteção e Garantia Integral dos direitos de meninos e meninas. e adolescentes.

Ronald Rodríguez, uruguaio de 17 anos, afirmou que no encontro “Fortalecemos conhecimento, trocamos com outros países e sabemos o que está acontecendo em outros países e procuramos aprimorá-lo. Estamos com todas as opiniões que estamos aprendendo, debatendo e identificando a importância dos nossos direitos.

Graciela Amparo Campos Silva, chilena de 12 anos veio ao encontro para falar sobre as crianças chilenas “para que tengamos un mundo mejor, sin violencia, donde todos los niños tengamos los mismos derechos y nuestras voces sean escuchadas por los adultos para que llegue hasta el presidente, hasta el Estado para que actúe, alguna acción que pueda mejorar el mundo y ayudarnos para nós. Não estamos bem agora. Queremos que todos estejam bem, não apenas os que têm dinheiro ”.

Para Ángeles Belén Cowan, o paraguaio de 17 anos disse que “Estou conhecendo a realidade de diferentes partes do Brasil, Argentina, Chile e Uruguai e por isso também estou trazendo o problema ou o que estamos vivenciando em nosso país, o Paraguai e podemos compartilhar nossas experiências com outros países e também trazer o experiências de outros países para o meu grupo de adolescentes, meu grupo de meninos e meninas. "

Laureano Martin Silva, argentino de 16 anos disse que “Ele conheceu muitos dos problemas de outros países que eles nos mostram. A Argentina passa por muitos problemas, há um corte na saúde do adolescente. Houve um orçamento que eles não querem implementar. Vou trazer do encontro muitas realidades, muitos saberes, práticas, para continuar lutando pelos nossos direitos como crianças e adolescentes ”.

Heloisa Ramos, brasileira de 17 anos, destacou que “É extremamente importante que crianças e adolescentes tomem consciência da importância do protagonismo, para que as políticas públicas sejam efetivas, garantindo o direito à educação, saúde, moradia, entre outros direitos. E também no combate a todas as formas de discriminação e preconceito ”.

Os adolescentes da sub-região também vivenciaram a cultura local e acompanhados e acompanhados pela primeira Escola de Samba do Brasil, a Estácio de Sá, transformaram suas reivindicações em letras, música e dança como formas de expressão. Da mesma forma, os adolescentes construíram coletivamente uma carta dirigida aos Estados da Região, com suas preocupações e propostas a serem apresentadas na próxima Reunião de Altas Autoridades de Direitos Humanos do Mercosul, em particular no âmbito da iniciativa Niñ @ Sur, a será realizada na Argentina, em 2019. A Atividade contou com o apoio da União Européia, Save the Children e Plan of Brazil, por meio do projeto Weaving Childhood Networks.


Contato de mídia:

Verónica Morales, Diretora Regional de Comunicação #TejiendoRedesInfancia +52 1 55 5620 9309

Crédito da imagem: https://redlamyc.org/ninas-ninos-y-adolescentes-proponen-cambios-a-los-estados-para-priorizar-sus-derechos-humanos/

ETIQUETAS: #TejiendoRedesChildhood | Direitos da criança e da infância | InfanciaLatina.org | Ollin.tv